Suicídio precisa ser debatido de forma responsável, alerta assistente social do HNSD

Falar a respeito do suicídio, desenvolver campanhas educativas e de conscientização são maneiras de evitá-lo. Por isso, a campanha Setembro Amarelo tem ganhado cada vez mais destaque, principalmente nas instituições de saúde. A prática de falar sobre o tema, o que para muitos é considerado um tabu, tem sido incentivada no Hospital Nossa Senhora das Dores (HNSD) entre os seus colaboradores.

Compartilhar informações, estimular o diálogo e também orientar os familiares e amigos à ficarem atentos aos sintomas que podem levar ao suicídio já faz parte da rotina dos profissionais da saúde mental do HNSD. O hospital, desde 2016, tem um convênio firmado com o Ministério da Saúde (MS), que inaugurou seis leitos de retaguarda para atendimento dos casos advindos do Serviço de Saúde Mental, o que aumentou a assistência para a comunidade itabirana e toda a região atendida pela instituição.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. No Brasil, 32 pessoas se matam por dia. No mundo, há uma morte do tipo a cada 40 segundos. O que torna o tema cada vez mais importante de ser debatido.

De acordo com Rosa Cristina de Faria Martins da Costa Fontes, assistente social do HNSD, é necessário falar sobre o suicídio de forma responsável, enfatizando a prevenção como o melhor caminho para minimizar e até mesmo evitar o sofrimento mental.

“A divulgação dos serviços de saúde mental que oferecem acolhimento e o trabalho informativo são essenciais para trabalharmos a prevenção. Constata-se que a forma, muitas vezes sensacionalista, em que a imprensa trata o tema repercute negativamente, gerando um aumento expressivo nos casos de tentativa de autoextermínio”, alertou a assistente social.

Campanha- Dez de setembro é Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Em razão disso, desde 2015, algumas associações se mobilizaram para criar o Setembro Amarelo, uma campanha de conscientização sobre a prevenção ao suicídio. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens com idade entre 15 e 29 anos. Os mesmos dados ainda afirmam que cerca de 800 mil pessoas tiram a própria vida no mundo, a cada ano.