Sargento morto em João Monlevade recebe homenagens

Cerca de 350 pessoas passaram assistiram à homenagem ao Terceiro Sargento Célio Ferreira, morto a tiros na madrugada de sábado (28) no bairro São João. A cerimônia aconteceu ás 17 horas em frente à sede da 17a Companhia Independente de Polícia Militar, no bairro Belmonte. Na frente da corporação, perfilaram-se policiais civis e militares, de diversos serviços. O sargento foi saudado com salvas de tiros, e os militares bradaram em alta voz uma oração. Em seguida, a esposa do fundador do Proerd em Monlevade recebeu as bandeiras do Brasil e do Tático Móvel. Durante a homenagem, vários dos presentes, inclusive policiais, não conseguiram conter as lágrimas. Em seguida, o cortejo fúnebre seguiu pela avenida Wilson Alvarenga, acompanhado por viaturas da Polícia Militar e do Serviço Voluntário de Resgate (Sevor). O trânsito foi desviado para a avenida Getúlio Vargas.

A Ocorrência

O sargento da Polícia Militar (PM), Célio Ferreira, foi assassinado a tiros na madrugada deste sábado (28) no bairro São João, em João Monlevade.

De acordo com a PM, Célio Ferreira, de 46 anos, foi atingido na cabeça por volta de 0h30, durante uma ocorrência na LMG-779, que liga o município a Itabira, na mesma região.

Após uma denúncia de tráfico de drogas, os militares foram até o local para averiguar a situação. Neste momento, foram encontradas drogas, mas os supostos traficantes não estavam lá. Quando eles voltaram e viram a presença policial, começaram a atirar, e os militares revidaram.

Ele foi socorrido e levado para o hospital Margarida, na mesma cidade, mas precisou ser transferido de helicóptero para Belo Horizonte, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no caminho.

Segundo o porta-vol da PM em Minas, major Flávio Santiago, Ferreira era instrutor do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd). “É uma grande perda para a nossa corporação. Qualquer irmão de farda que se vai no bom combate, é para nós sempre motivo de muita tristeza”, disse.

Os dois suspeitos de matarem o policial já foram presos pela PM e estão à disposição da Justiça.

Célio Ferreira